You are currently browsing the monthly archive for março 2008.

francione-725709.jpg

Todos os seres capazes de sentir (seres sencientes), humanos ou não-humanos, têm um direito: o direito básico de não serem tratados como propriedade dos outros.

Assim como rejeitamos o racismo, o sexismo, a homofobia e o preconceito contra as pessoas de idade, rejeitamos o especismo. A espécie de um ser senciente não é razão para que se negue a proteção a esse direito básico, assim como raça, sexo, orientação sexual ou idade não são razões para que a inclusão na comunidade moral humana seja negada a outros seres humanos.

Reconhecemos que o passo mais importante que qualquer um de nós pode dar rumo à abolição é adotar o estilo de vida vegano e educar os outros sobre o veganismo. Veganismo é o princípio da abolição aplicado à vida pessoal. O consumo de carnes (vaca, ave, pescado, etc.), de laticínio, ovo e mel, assim como o uso de animais para roupas, entretenimento, pesquisa ou qualquer outro fim, são incompatíveis com a perspectiva abolicionista.

Reconhecemos a não-violência como o princípio norteador do movimento pelos direitos animais.
 

Um direito é como um muro em volta de um interesse. Nesse muro há uma placa que diz “Você não pode entrar só porque fazer isto vai beneficiar você ou outras pessoas”.

Gary L. Francione

atgaaabst8fose4wj5knk6woa2qrhlgajug6pwljzxdqakt-dnrg7oi75xcpi3ih1jtdctlt6cynkvd8szbkwclws3rzajtu9vazospjoloq6luufiri2l_tle7s7g.jpg